Olof Faxander, Presidente e CEO da Sandvik, fala sobre anticorrupção na reunião anual do fórum econômico mundial 2015

Há mais de um ano, a Sandvik é membro ativo do grupo intitulado Swedish Leadership for Sustainable Development (SLSD), que foi criado, e é conduzido, pela SIDA, a Agência Sueca de Cooperação para o Desenvolvimento Internacional. O SLSD é composto pelas 23 maiores empresas suecas e três institutos de pesquisa e políticas.

Representando a Sandvik na reunião anual 2015 do Fórum Econômico Mundial, em Davos na Suíça, Olof Faxander participou de um painel de discussão sobre os objetivos e as realizações do SLSD, ocasião em que enfatizou a importância do combate à corrupção.

"Anticorrupção é uma questão importante para nós na Sandvik. Vemos a corrupção como um impedimento para o desenvolvimento sustentável global - que por sua vez pode afetar nossas operações de negócio", diz Olof Faxander. "Quanto mais pudermos minimizar a corrupção nos países em que atuamos, mais estável será o negócio que podemos conduzir e seremos o melhor fornecedor para os nossos clientes." ele acrescenta. "Nós escolhemos participar da frente anticorrupção do SLSD uma vez que enxergamos essa tarefa como um desafio comum para todos os setores da indústria. Juntos somos mais fortes e podemos exercer um impacto mais poderoso", conclui.

Outros participantes do painel de discussão foram Hans Vestberg - CEO da Ericsson, Olof Persson - CEO do Grupo Volvo, Jeff Seabright - CSO (Chief Sustainability Officer) da Unilever, Sarah McPhee - CEO SPP e Christian Paradis - Ministro do Desenvolvimento Internacional do Canadá. Johan Rockström - Diretor Executivo do Stockholm Resilience Center, teve o papel de moderador da discussão.

O SLSD se formou em maio de 2013, tendo como membros as 23 maiores empresas suecas, incluindo Sandvik, Boliden, Elekta, Ericsson, H & M, IKEA, Indiska, Löfbergs, Tele2, Ratos, SKF, SPP, Systembolaget e Volvo, bem como três institutos de pesquisa e políticas, que, juntamente com a SIDA, estão trabalhando para o desenvolvimento global sustentável e a redução da pobreza no mundo. Em 2015 esse grupo se concentrará no desenvolvimento de novos modelos para estimular o desenvolvimento sustentável, aumentando a interação entre os setores público e privado, e intensificar inovações.

A reunião anual 2015 do Fórum Econômico Mundial reuniu cerca de 2.500 representantes de mais de 100 países, tais como empresários, chefes de Estado e de Governo, outros políticos, cientistas, representantes do setor público e da sociedade civil, e outros formadores de opinião. Essa reunião tem por objetivo facilitar e moldar agendas globais, regionais e da indústria.